Resenha Cidades De Papel John Green

julho 19, 2015

Hoje a resenha é sobre o livro cidades de papel do autor John Green, que possui muitos fãs pelo mundo inteiro, fiquei tão ansiosa e empolgada por essa leitura, porém cometi um erro terrível de ver o filmes antes de ler o livro, digo erro pois minha empolgação foi por água abaixo, borá la ver a resenha!


O adolescente Quentin Jacobsen tem uma paixão platônica pela magnifica vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman. Até que em um cinco de maio que poderia ter sido outro dia qualquer, ela invade sua vida pela janela de se quarto com a  cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele é claro  aceita  assim que a noite de aventuras acaba um novo dia se inicia, Q vai para a escola e então descobre que o paradeiro de Margo tornou-se um mistério. No entanto, ele logo encontra pistas e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima da Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava conhecer. 

Quentin idolatrava Margo por ser um garota aventureira, destemida, a Margo de Q não tinha medo de enfrentar desafios, e era uma pessoa incrivelmente intrigante, será?




Ele embarca numa viagem com seus melhores amigos para encontra-la e não se contém de ansiedade passando pelas maiores aventuras que nunca imaginou antes, descobre lugares que nunca ouviu falar, tenta controlar seus pensamentos e medo de que Margo não esteja viva, ele tenta entender todas as pistas e lugares que ela deixa para ele e imagina que ela quer muito ser encontrada, e tem medo de que não chegue a tempo para traze-la de volta, quase morre em um pequeno acidente de carro durante sua viagem aventureira e descobre o poder da amizade, descobre como é bom se sentir livre, se sentir querido, e derre pente entende  que aquilo era o que realmente importava. 

Quentin está a um passo de se formar no colégio de ir para faculdade ter uma profissão mais para ele nada faria sentindo se não encontrasse Margo, enfim depois de tantas horas ao todo 21 horas de viagem ele enfim chega na cidade de Agloe onde encontra Margo Roth Spiegelman, porém não é Margo que ele vê, em sua frente está o que restou dela, uma garota de cabelo curto e unhas sujas que deixou claro assim que os notou todos ali parados olhando para elas que não queria ser encontrada, Margo estava em um espécie de escritório que ela mesma tinha criado e estava escrevendo em seu caderninho preto, pediu um minuto para terminar seu raciocínio e depois foi até eles, Q não tinha palavras mais enfim conseguiu perguntar se ela estava bem, e a resposta bem a resposta veio com o tempo, Q conseguiu entender  que Margo era apenas mais uma garota, uma pessoa como tantas outras, uma pessoa com suas rachaduras assim como tantas outras.



Confesso a vocês que espera muito mais do livro, foi tão divulgado e comentado que criei uma expectativa que se frustou durante a leitura, claro que associo boa parte da culpa por ter assistido o filme que na minha opinião foi tão negativo quanto livro, enfim já outros livros do autor e pra mim o melhor foi a culpa é das estrelas, cidades de papel não conquistou, é isso!

Voce Também Pode Gostar

0 comentários